Sem categoria

Empresária é presa por uso de produtos vencidos em padaria

Imagem ilustrativa/Divulgação

A dona de uma padaria foi presa, nesta terça-feira (16), em João Pessoa, após o local ser interditado por fabricar pães utilizando produtos vencidos. A ação ocorreu durante uma fiscalização do Programa de Proteção e Defesa do Consumidor do Ministério Público da Paraíba (MPProcon), Polícia Civil, Procon-JP, Vigilância Sanitária e outros órgãos de defesa do consumidor.

De acordo com o diretor-geral do MP-Procon, promotor Glauberto Bezerra, a fiscalização, que é uma ação de prevenção a acidentes contra o consumidor, tem como objetivo coibir o uso de produtos ilegais na fabricação dos pães.

Segundo a Vigilância Sanitária, na padaria interditada foram encontrados produtos vencidos e outros sem informações de fabricação e prazo de validade, produtos de origem animal sem registro no órgão competente, além de alimentos acondicionados de forma errada.

O Corpo de Bombeiros verificou que a padaria não possui certificado da corporação, número de extintores insuficiente, sendo vários deles vencidos, fiação exposta colocando em risco trabalhadores e consumidores, ausência de teste de estanquidade (teste que verifica vazamento) da central de gás e falta de guarda-corpo no pavimento superior.

NO estabelecimento, o Fisco Estadual apreendeu três máquinas de cartão de crédito que não estavam interligadas com o sistema da Receita. De acordo com os fiscais, o estabelecimento declarava à Receita um faturamento menor do que o realmente obtido.

Outras quatro padaria também foram autuadas por apresentarem problemas, como produtos fora da validade, extintores em local de difícil acesso e produtos sem precificação.

“Nossa preocupação é com relação aos ingredientes usados nos pães, como o uso de produtos não autorizados como o bromato de potássio, que pode causar câncer. Estamos analisando os produtos que compõe a massa do pão. Nós tivemos uma padaria usando produtos vencidos, constatados pela Vigilância, o que resultou na prisão do dono”, disse o promotor.

portalcorreio

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo